domingo, 18 de setembro de 2011

O DOCE SABOR DA INCLUSÃO SOCIAL: PIZZARIA PROMOVE TARDE DE LAZER PARA FAMÍLIAS POBRES

Por Célia Ribeiro

Pouco antes das 15h de quarta-feira, um grupo de trabalhadores chegou duas horas mais cedo ao serviço. Alguns estavam de folga, mas preferiram deixar o descanso para depois e apresentaram-se voluntariamente. Afinal, seria um dia muito especial, certamente inesquecível, para dezenas de famílias que nunca tiveram a oportunidade de degustar deliciosas pizzas assadas no forno à lenha, como manda a tradição.

Meninos se refrescam com sorvete à vontade
A iniciativa do empresário Carlos Alberto Moreira, do Restaurante “O Forno”, permitiu que mais de 70 pessoas do Projeto Comunitário “Vinha do Senhor”, do Jardim Santa Antonieta, tivessem uma tarde completa de lazer. Além de degustarem diferentes pizzas, as crianças, acompanhadas pelas mães, tomaram sorvete à vontade e puderam brincar na sala de jogos do restaurante.

Carlos e Ademar: solidariedade
 Um dos mantenedores do Projeto Renove, o empresário, cuja trajetória foi registrada pelo “Correio Mariliense” na edição de 21 de novembro do ano passado, teve origem humilde, foi criado na Associação Filantrópica e sempre que pode apoia as iniciativas voltadas à inclusão social. “Às vezes, um pequeno gesto pode mudar a vida de uma pessoa”, costuma dizer aos interlocutores.

Por isso, quando conheceu o projeto da zona norte, coordenado por Cícero Carlos da Silva, onde são atendidas centenas de famílias pobres, Carlos Moreira se prontificou a promover uma tarde de lazer completa, só tomando o cuidado de dividir os grupos. Há três semanas, a primeira turma foi ao restaurante, quarta-feira foi a segunda leva e dentro de 15 dias será a vez da terceira e última parte do grupo do Santa Antonieta.
Mais de 70 moradores da zona norte lotam o salão
VOLUNTÁRIOS

Sentado à mesa com os convidados especiais, Carlos Moreira disse que seus funcionários resolveram ajudar, voluntariamente. Ao invés de entrarem às 17h em serviço, garçons, cozinheiras e ajudantes chegaram duas horas antes. No salão lotado, estava difícil conversar tamanha era a empolgação dos que eram servidos com a maior simpatia pelos garçons.


Garçons e outros funcionários trabalharam voluntariamente
 “Se cada um fizer um pouquinho, as pessoas serão muito mais felizes”, disse o empresário. Ele acrescentou que “trazer ao restaurante uma pessoa que nunca teve a oportunidade de estar num lugar desses também é uma forma de inclusão social”.

Antes dos moradores do Santa Antonieta, a pizzaria já havia recebido os atendidos da Casa Abrigo mantida pela Secretaria Municipal da Assistência Social.

DIGNIDADE

Cícero, coordenador do
Projeto "Vinha do Senhor"
Coordenador dos projetos da Comunidade “Vinha do Senhor”, que funciona no Ceasa, Cícero Carlos da Silva afirmou que não tinha palavras para agradecer: “No começo, era para trazer só as crianças. Mas, o Carlos, com esse coração enorme, abriu para as mães, também”. Ele fez questão de ressaltar o carinho com que foram recebidos: “Todo mundo foi tratado como cliente. Não teve prato ou copo de plástico; teve prato de louça, copo de vidro e tudo do bom e do melhor”.

No meio do salão, conversando animadamente, duas donas de casa, moradoras do Jardim Renata, não conseguiam esconder a empolgação. Leda Maria Rodrigues Gomes e Geraldina Nunes Ferreira Queiroz estavam admiradas com a beleza do salão envidraçado e a fartura de pizzas, refrigerantes e sorvetes: “Nunca tinha comido uma pizza dessas. Foi o dia que pedi a Deus”, resumiu dona Geraldina.
Dona Leda e a filha

Enquanto esperavam o ônibus cedido pela Prefeitura para leva-las de volta à zona norte, as crianças aproveitaram para brincar na sala de jogos, não sem antes pedirem mais um sorvete para repor as energias!

*Reportagem publicada na edição de 18.09.2011 do CORREIO MARILIENSE

Nenhum comentário:

Postar um comentário