quarta-feira, 4 de agosto de 2010

"Amor de Mãe" resgata meninas na periferia de Marília

Alegria na hora do lanche
Por Célia Ribeiro

O azul tingindo o céu do outono e a imensa área verde remetem ao paraíso. Mas, para dezenas de famílias da conhecida favela “Argolo Ferrão” e outras tantas do Jardim Califórnia, o lugar tem um significado ainda maior. Afinal, na Associação “Amor de Mãe”, elas resgatam sua dignidade e encontram estímulo para reescreverem suas histórias de vida.

Fundada há três anos pela voluntária Marluci da Silva Gripa e coordenada por sua filha, a professora Tammy Regina Gripa, oriundas da Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a associação sem fins lucrativos é mais um bom exemplo do que a solidariedade de cidadãos comuns pode fazer pela comunidade.

Tudo começou quando, ao percorrerem a favela, mãe e filha observaram muitas mulheres sentadas na rua, desocupadas, com muitos filhos passando necessidade. “Aquela situação nos tocou. Pensamos em fazer alguma coisa que pudesse dar abrigo, mas também ensinar as mulheres a conseguirem sua própria renda para viverem com dignidade”, contou a coordenadora, avessa a fotos e publicidade.

Como professora da Escola “Sebastião Mônaco”, outra coisa que chamou a atenção de Tammy foi o grande número de ex-alunas que, aos 12 e 13 anos “pulavam o muro da escola para namorar, deixavam de estudar e agora estão na favela, com muitos filhos”. Hoje, muitas dessas meninas são assistidas pela associação e seus filhos recebidos com todo carinho.

Geração de renda na padaria artesanal
GRANDE COMO CORAÇÃO DE MÃE

É impressionante como a entidade consegue sobreviver e atender mais de 200 pessoas, fornecendo café da manhã, almoço e café da tarde: “Quem estiver por aqui, come com a gente”, assinala a presidente que agradece o apoio do voluntariado, da comunidade e de algumas empresas que colaboram semanalmente. “Graças a Deus, nunca faltou comida”, pontua.

A Associação “Amor de Mãe” funciona com oficina de costura e artesanato, além de uma padaria. As máquinas de costura foram adquiridas com recursos do governo do Estado, através do deputado estadual Vinicius Camarinha que também ajudou na aquisição de alguns equipamentos que completaram a padaria doada pelo Fundo Social de Solidariedade do Município, através da primeira-dama, Fátima Bulgareli.

A Prefeitura de Marília colabora com duas professoras que acompanham as crianças com reforço escolar e supervisão das tarefas, de manhã e à tarde, enquanto as mães trabalham. Também doa alimentos da Cozinha Piloto e trabalhadores para as obras de reforma e ampliação da entidade.

A base da receita da associação é a venda de pães, artesanato, sabão caseiro (feito com óleo doado) e prestação de serviços terceirizados de costura. “Uma malharia nos envia as peças cortadas. Temos as mães que passaram por curso e agora trabalham na confecção. Quanto mais empresas tivermos enviando serviço, mais mães poderemos atender”, informou Tammy, que espera ajuda para ampliar a oficina de costura e garantir mais vagas para ensinar o ofício a outras mães.

As mulheres ganham conforme o volume de peças produzidas, girando em torno de 200 reais por mês. Na padaria e cozinha, há um revezamento entre as mães assistidas de modo que, a cada três meses, uma delas receba um salário mínimo. Além disso, a produção diária de pães (100 unidades de meio quilo) e de fatias húngaras (100 unidades) é distribuída entre as que trabalharam no turno para que possam vender e garantir sua renda. Cada uma consegue entre 200 e 250 reais por mês.

A entidade também possui um salão de beleza. Aos sábados, há prestação de serviço de manicure e pedicure. Durante a semana, quem se interessar pode telefonar (34225525) e agendar um horário.

Nada é perdido na associação e toda doação é bem-vinda. Ao final de cada dia, se tiver frutas ou biscoitos sobrando, as mulheres levam para casa. Do mesmo modo, os alimentos consumidos no almoço são doados às famílias.

Vitória contra o vício
VENCENDO O ÁLCOOL

Mãe de dois filhos, de 9 e 3 anos, a jovem M. é um exemplo de superação. Viciada em álcool desde adolescente, encontrou na costura a força para virar o jogo. “Ela tremia muito por causa da bebida. Mas, tinha um sonho, que era aprender a costurar. Por causa disso, acabou largando a bebida e hoje é uma das nossas melhores galoneiras”, explicou Tammy com visível orgulho.

“Pra mim, a associação é tudo”, falou a tímida M. Enquanto seus filhos freqüentam a aula de música, recebem alimentação, orientação escolar e muito carinho, ela pode trabalhar e ganhar o dinheiro (quase 300 reais) fundamental para o sustento da família. Como as outras mães, ela ainda recebe uma cesta básica por mês.

Caroline de Souza, 21 anos e Jéssica Oliveira, 20 anos, são outras duas ex-alunas da professora Tammy que trabalham na oficina de costura. Mães adolescentes, se esmeram no trabalho que garante as condições de uma vida melhor. “Compro iogurte, fralda, tudo o que meu filho precisa”, comenta Caroline.

A Associação “Amor de Mãe” já foi auxiliada por empresas como Malharia Gláucia, Bradesco, Supermercado Tauste, Supermercado Confiança, Walmart e recursos do Imposto de Renda destinado ao Fundo para a Criança e Adolescente. Foi solicitada uma subvenção à Prefeitura, em 2009, mas ainda não houve retorno.

A entidade recebe recursos do “Troquinho Solidário” do Supermercado Tauste e realizou um jantar da promoção social do Supermercado Confiança. No entanto, precisa de auxílio para construir a nova oficina de costura (materiais de construção).

A comunidade e os empresários podem colaborar doando alimentos ou o que desejarem. Para conhecer, visite a sede à Rua João Francisco Nascimento, 320, próximo ao Condomínio San Remo, no Jardim Califórnia. O telefone é (14) 34225525.

Matéria veiculada no Correio Mariliense em 16.05.2010

6 comentários:

  1. Que maravilha. Adoro o serviço voluntário quando, como este, vai direto ao coração dos assistidos. Parabéns Sra. Marluci da Silva Gripa, sua filha e demais colabiradores, e parabéns a minha amiga Celinha pela bela matéria.

    ResponderExcluir
  2. Tammy,D.Marluci e cia, parabéns pelo amor que há em vossos corações. Que Deus as abençoe grandemente e que a paz de cristo reine sempre em vossos corações.
    Ricardo (força jovem)

    ResponderExcluir
  3. Tammy e D. Marluci, parabéns por esse trabalho tão bonito, somente Deus pode compensa-las por esse feito a quem tanto precisa, fiquei sabendo a pouco tempo desse projeto, e fiquei muito feliz que vcs abraçaram essa causa. (Luiz de Lupercio)

    ResponderExcluir
  4. Parabéns a todos envolvidos por essa atitude concreta de solidariedade. É muito difícil para quem tem estabilidade na vida deixar o comodismo de seu lar para se dedicar a dura realidade dos que passam necessidades. Muitas vezes julgamos os irmãos e deixamos a indiferença e o desprezo ocuparem o lugar da compaixão. Vocês sao verdadeiros discípulos de Cristo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Conheço a professora Tammy e sua dedicação por esta nobre causa. Que Deus a abençoe e lhe proporcione dias de paz em sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Ione, obrigada pelo comentário. Realmente, a Tammy faz um trabalho maravilhoso. Grande abraço e apareça mais por aqui.

      Excluir