domingo, 20 de maio de 2018

PROJETO DE CIDADANIA DE ESTUDANTES DE DIREITO DESPERTA A SOLIDARIEDADE

Por Célia Ribeiro

Gratidão. É com um forte sentimento de realização que a jovem docente, criada em uma pequena cidade de 3 mil habitantes, lidera um projeto que conquistou mentes e corações dos estudantes de Direito do UNIVEM (Centro Universitário Eurípedes de Marília). Daniela Marinho, 36 anos, especialista na área Tributária, coordena o Proato – Projeto de Cidadania Proativa e Direito que desperta a solidariedade, para ajuda ao próximo, ao mesmo tempo em que desenvolve várias competências nos alunos.
Daniela Marinho: inspiração para os alunos

Iniciado há seis anos, o Proato nasceu da necessidade de levar a disciplina de economia mais próxima à realidade dos estudantes. Daniela Marinho conta que a matéria, a despeito de sua importância na grade curricular, não atraía a atenção dos seus alunos. Egressa do UNIVEM, com pós-graduação e mestrado na área Tributária pela UEL (Universidade Estadual de Londrina), ela decidiu tentar algo que despertasse o interesse dos acadêmicos.

“Criamos um evento chamado ‘Colóquio Direito e Economia’. Todos os alunos do primeiro ano de Direito participaram e cada sala tinha uma missão. O objetivo era discutirmos as mazelas econômicas na sociedade”, recordou. Conforme disse, “Adam Smith, Karl Marx e David Ricardo eram autores que eles só estudavam para a prova, mas não fazia sentido, não tinha nada com o contexto onde estavam inseridos”.

Neste primeiro evento, “as mazelas econômicas e sociais puderam ser estudadas a partir destes autores”, envolvendo os estudantes que se organizaram para criarem as mais diferentes formas de manifestação: através de peças teatrais, músicas e produção de vídeos, eles se expressaram levando para o dia-a-dia os conceitos disponíveis nas publicações dos três autores que são referência mundial em economia.
Estudante de Direito que integram o Proato: time diferenciado
“Percebi que naquele projeto os estudantes promoveram a integração, fizeram amizades, porque tinham que se reunir para elaborarem o material e ensaiarem juntos. Vimos que eles tinham condições de produzirem conhecimento e faziam isso melhor do que a gente porque o nosso modo é mais conservador, dogmático”, acrescentou a professora.

Daniela Marinho observou que “quando vimos os alunos reproduzindo questões de clássicos da disciplina, como Adam Smith, Karl Marx e David Ricardo, naquela linguagem que todo mundo conseguia entender, percebemos o potencial da arte” no sentido de envolver e prender a atenção dos acadêmicos.
Solidariedade: alunos fazem doações às entidades beneficentes

GRANDE AUDIÊNCIA

Diante da bem-sucedida experiência, com auditório lotado e plateia eclética (comunidade acadêmica, pais, alunos do ensino médio etc), “percebemos que os nossos alunos queriam mais. E o UNIVEM tem essa proposta de proporcionar mais. Os coordenadores do Curso de Direito, professores Edmilson Machado e Vivianne Rigoldi, sugeriram que pensássemos em um projeto de extensão da graduação. Daí, surgiu o Proato, em uma construção coletiva com os alunos”, informou Daniela Marinho.
O ano era 2012, “a coordenação abraçou a ideia e os alunos estavam empolgados porque sonhávamos com um Direito Diferente”, prosseguiu. Ela assinalou ter sido “uma mera interlocutora junto à coordenação a partir da conversa com os alunos. Tínhamos que ver os protocolos, o perfil da entidade etc”.
Café com Palestra: eventos mobilizam grande número de participantes
Com três objetivos principais --- Integração Acadêmica, Formação Humanista e Direito Extra Muros --- o Proato começou a ganhar forma. O “Trote Solidário”, que ao invés de receber os calouros com brincadeiras, às vezes humilhantes, apostou no envolvimento dos novos acadêmicos com a ajuda a entidades beneficentes.

Da arrecadação de cerca de 3.000 livros para formação da Biblioteca da ONG “Amor de Mãe”, localizada na zona oeste, à doação de materiais de higiene e limpeza para a ONG “Juventude Criativa”, dezenas de ações foram desenvolvidas com a participação maciça dos estudantes que marcaram seu ingresso na universidade fazendo o bem ao próximo.

Daniela Marinho explicou que ao conhecerem uma instituição como a “Amor de Mãe”, os alunos puderam entender a necessidade do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente): “É diferente falar disso só no giz, na lousa ou no PowerPoint. Agora, eles entendem porque a criança precisa de um tratamento diferenciado porque eles viram a realidade. É a formação humanista”, pontuou.

ALÉM DA SALA DE AULA

“Estudamos as mais nobres concepções do Direito e da Justiça. É muito bonito. Só que tudo aquilo fica condensado dentro da sala de aula, nas paredes frias da sala de aula. A gente fala de democracia e de cidadania. Então, o Proato tem o propósito de levar o Direito para além da sala de aula, para a comunidade. Nós temos valores a serem compartilhados com a sociedade e podemos transformar isso em uma linguagem mais próxima, através do teatro, por exemplo”, afirmou.
Logomarca do projeto

A docente comentou que “alguém disse que ‘toda palavra é ruído se não vir acompanhada de ação’. Percebemos que estamos fazendo ruído. Os professores são muito bem preparados, os conteúdos são densos, temos aula até às 23 horas. Só que ainda assim estamos fazendo ruído. Já o Proato pega toda a densidade que os alunos ouvem em sala de aula e leva para a comunidade, transforma isso em ação e as coisas começam a fazer a diferença”.

Ela citou como exemplo as apresentações sobre democracia para alunos de ensino médio nas escolas públicas, em ano eleitoral. “Os adolescentes chegam arredios, de braços cruzados. Mas, à medida em que se desenvolve a peça teatral, que utiliza vários recursos como a música”, eles se soltam. “Ao final, estão rindo e se divertindo. E fazem fila para tirarem fotos com os alunos”, contou.

MERCADO DE TRABALHO

Os alunos que participam do Proato são diferenciados e começam a ser disputados por escritórios na seleção de estagiários: “Eles são muito articulados”, explicou Daniela Marinho, destacando que a universidade “está preparando nosso aluno para o mercado de trabalho, para atuar na sociedade porque é um aluno que vai muito além da sala de aula. É um aluno obstinado que, se precisar, não dorme, não come, para concluir um trabalho”. São competências que os tornarão competitivos quando concluírem a graduação.
E por falar em preparo, as experiências no Proato contribuem para desenvolverem competências como a oratória. “O advogado precisa fazer sustentação oral. O promotor também precisa. Estamos moldando um profissional muito bem preparado para atuar no desenvolvimento de sua carreira”, frisou.
(Esq) Alunos Mohandas Sabino, Renata Zanetti e Yago Neves

ESPELHO PARA OS ALUNOS

A dedicação da docente é reconhecida por seus alunos: "Ela é uma grande profissional, viaja muito a trabalho e, mesmo assim, arruma tempo para nos atender e nos ajudar. Sempre que precisamos de apoio, ela está disponível. Isso é incrível porque a professora Daniela poderia estar cuidando do seu trabalho no tempo fora da faculdade. Mas, ela não esquece de nós e do Proato". A colocação do acadêmico Mohandas Sabino, do terceiro termo, ilustra como Daniela Marinho inspira seus alunos. Mohandas afirmou que o Proato abriu-lhe novos horizontes e o exemplo da professora Daniela inspira a todos.

HISTÓRIA INSPIRADORA

Sócia-fundadora da Marinho Advogados Associados, empresa especialista em Direito Empresarial (Direito Digital, Direito Trabalhista focado nas empresas, Direito do Consumidor também voltado para empresas, Direito Tributário e Direito Societário), Daniela Marinho carrega o mesmo brilho nos olhos que seus alunos.
Gratidão: profissional de sucesso quer devolver um pouco do que recebeu

Para entender, é preciso voltar aos anos 90 quando a menina de família humilde, nascida na cidadezinha de Arandu, com menos de 3.000 habitantes, na região de Avaré, dava mostras de sua determinação. Ela sabia que para conquistar seus sonhos teria que trabalhar duro.  Graças a um tio, servidor da Receita Federal, veio estudar em Marília tão logo concluiu o ensino médio.

Aprovada em várias faculdades de Direito, inclusive públicas, ela optou por Marília porque “teria onde dormir e comer na casa dos meus tios e contar com uma bolsa de estudos no UNIVEM”, justificou.  Determinada, em pouco tempo conseguiu um estágio na Procuradoria do INSS onde recebia um salário mínimo: “Eu me sentia milionária. Ficava com metade do valor e dava a outra metade para a minha irmã que estudava na UNESP em Assis”, recordou.

Focada, Daniela Marinho queria mesmo se especializar na área Tributária: “Ouvia as conversas do meu tio na hora do almoço e isso me encantava. Um dia, uma colega contou que o escritório em que estagiava estava contratando estagiário para a área tributária”. Com muita coragem, deixou o INSS, onde tinha jornada de 06 horas, pelo escritório em que passaria a receber meio salário mínimo e trabalhar dobrado.
Trote solidário: alunos são recebidos no ingresso à universidade
Essa decisão mudou sua vida. Daniela dedicou-se ao máximo e, ao fim de cada mês, pegava o valor do estágio e enviava integralmente para sua irmã: “Eu tinha onde comer e dormir e estava atrás do meu sonho. Não achava justo deixar de mandar o dinheiro para minha irmã que precisava muito mais”, explicou.

Todo esforço valeu a pena. No conceituado escritório “Fernandes Advogados Associados” ela aprendeu muito e pode alçar novos voos. Anos depois, fundou o “Marinho Advogados Associados” com uma das irmãs, um amigo e um primo, e atende grandes empresas, inclusive multinacionais, que remuneram o trabalho por hora.

Atualmente, o escritório conta com cerca de 30 profissionais, entre advogados, estagiários, pessoal administrativo e de apoio, em prédio próprio localizado em área nobre nas proximidades do UNIVEM, no Jardim Acapulco. “A vida foi muito boa para mim. Tive uma oportunidade neste escritório em que serei eternamente grata. Voltar para o UNIVEM como docente, e participar do Proato, é uma forma de devolver para a vida o que a vida me deu”, finalizou.

E assim, com o mesmo brilho no olhar de quando pisou na universidade, pela primeira vez, Daniela Marinho segue inspirando seus alunos não só pelo sucesso profissional alcançado, mas, principalmente, pelo exemplo de perseverança, humildade e gratidão.
Para saber mais sobre o Proato, acesse: https://pt-br.facebook.com/proatounivem

4 comentários:

  1. Bom dila amigos.
    Trabalho com a professora Daniela e referendo cada letra escrita pela competência e sensibilidade da jornalista Célia Ribeiro. As universidades são, por natureza, o berço do conhecimento e da Inovação. Quando nestes ambientes se encontram professores e profissionais inspiradores os alunos se encantam e se tornam os principais atores da própria transformação e e promover as mudanças no meio em que atuam.
    A formação profissional humanista, característica dos cursos mantidos pelo UNIVEM, precisa contar com profissionais sensíveis e antenados com as necessidades da sociedade e exemplos como da professora Daniele acabam se transformando em fermento cultural da maior importância.
    Parabéns Célia pela brilhante iniciativa de contar histórias inspiradoras.
    Meus cumprimentos ao coordenador prof. Dr. Ednilson e a profa. Viviane pela visão moderna do ensino do Direito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ivan, por suas palavras. Fico muito feliz pela oportunidade de dar visibilidade a trabalhos tão importantes como esse. Parabéns a todos do Univem.Abraço

      Excluir
  2. parabens Célia seu trabalho merecia ser um livro, você registra o trabalho que poucos enxergam, pois é um trabalho dos heróis anônimos dessa cidade, que não ganham manchetes, mas com certeza fazem muito pela comunidade, parabens, orgulhoso do teu profissionalismo e da sua grandeza de valorizar e divulgar essa gente linda que constrói o amanhã....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zaparolli, amigo de tantos anos, obrigada pelas gentis palavras. Tenho planos para um livro, sim. A ideia vem sendo amadurecida. Fico muito feliz quando encontro essas pérolas e posso compartilha-las com meus leitores. Grande abraço

      Excluir